QUEM SOMOS

A Associação Brasileira de Engenheiros Civis (ABENC), entidade civil sem fins lucrativos, volta-se ao aperfeiçoamento técnico, científico e cultural desses profissionais e está permanentemente focada no desenvolvimento nacional, com ênfase para o bem estar da população.

Atua em todo o território brasileiro, como entidade federativa. No âmbito nacional possui Diretoria Nacional, Conselho Fiscal e Conselho Consultivo. No âmbito regional possui Departamentos, que congregam os membros domiciliados nas suas respectivas áreas.


História
A ABENC foi fundada em 06/03/1979 em assembléia realizada na sede da Representação do Confea no Rio de Janeiro, para congregar os Engenheiros Civis do Brasil, como entidade de caráter nacional.

Em 25/07/1979, no Salão de Convenções do Hotel Nacional, em Brasília, realizou-se assembléia de consolidação da ABENC e foi eleita sua primeira diretoria.

Em 30/08/1979 ocorreu o registro e inscrição no Cartório do 2° Ofício de Registro de Pessoas Jurídicas, em Brasília.

Tradição da ABENC é sua luta na defesa e valorização da classe, em especial no tocante às atribuições profissionais dos Engenheiros Civis.

Principais eventos da ABENC são os Congressos Brasileiros de Engenheiros Civis, os CBENCs, realizados periodicamente.

Já foram realizados 14 CBENCs, nas seguintes cidades: Rio de Janeiro, Fortaleza, Salvador, Curitiba, Maceió, São Paulo, novamente São Paulo, Foz do Iguaçu, Rio de Janeiro (segunda vez), Florianópolis, Salvador (segunda vez), Curitiba (segunda vez), Fortaleza (segunda vez) e Blumenau. O próximo evento da série está marcado para Belo Horizonte, em 2009.

Em setembro de 2007 a ABENC realizou, em Curitiba, Seminário Internacional sobre Tendências Mundiais da Engenharia Civil, contando com participação de importantes lideranças da classe. Naquele evento foi lançada a idéia de realizar-se encontro com Engenheiros Civis representantes dos países de língua oficial portuguesa e castelhana.

A partir dessa idéia, aconteceu em Lisboa, em março de 2008, organizado pela Ordem dos Engenheiros de Portugal, o 1º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana, reunindo representantes de 16 países.

No evento de Lisboa, a ABENC recebeu a incumbência de realizar o 2º Encontro, em Brasília, no início de dezembro de 2008, com apoio do Confea e como evento paralelo do Congresso Mundial de Engenheiros (WEC). Assim, a ABENC concretizou o 2º Encontro, que teve a presença de representantes de 19 países. Naquela oportunidade foi implantado o Conselho de Engenharia Civil dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana.

São objetivos da ABENC:

- Congregar os Engenheiros Civis do País para defesa e prestígio da profissão, promovendo o desenvolvimento da Engenharia Civil em todos seus campos de atuação;

- Desenvolver suas atividades sempre como entidade técnica, cultural e independente, não assumindo posições político-partidárias e recebendo no seu seio todos os Engenheiros Civis, sem discriminação de ideologias políticas, crenças religiosas, origens raciais ou de sexo;

- Representar a Engenharia Civil Brasileira e o pensamento dos Engenheiros Civis do Brasil junto aos poderes públicos, órgãos paraestatais e outras entidades de classe, culturais ou técnicas, colaborando efetivamente, em todos os setores de sua competência, para o desenvolvimento do País;

- Representar a Engenharia Civil Brasileira e o pensamento dos Engenheiros Civis do Brasil junto às missões diplomáticas ou representantes de organismos internacionais sediados no Brasil e no exterior, junto às representações diplomáticas no Brasil, junto aos órgãos nacionais e internacionais a que estyeja filiada, ou que venha a se filiar, participando dos seus órgãos de direção, de comissões de trabalho, de congressos nacionais e internacionais, seminários, encontros e de todas manifestações ligadas à profissão do Engenheiro Civil;

- Promover o relacionamento entre o exercício profissional e a formação do Engenheiro Civil, através de permanente aproximação entre o profissional e a Universidade, objetivando integração entre ensino, pesquisa e exercício profissional;

- Promover intercâmbio profissional com entidades congêneres e outras instituições científicas, culturais e educacionais brasileiras, estrangeiras e internacionais;

- Pugnar por presença efetiva da profissão junto aos poderes públicos e nos programas de desenvolvimento do País, em todas as tarefas que envolvam estudo e projeto referentes a atuação no meio ambiente;

- Envidar esforços junto às entidades incumbidas de organizar, fiscalizar e executar o ensino, no sentido de estabelecerem currículos adequados à realidade da Engenharia Civil;

- Envidar esforços junto aos órgãos fiscalizadores do exercício profissional no sentido de obter a fixação de elencos de atribuições condizentes com a real importância da Engenharia Civil;

- Colaborar com autoridades municipais, regionais e federais para estudo e solução de problemas relacionados com a Engenharia Civil;

- Promover encontros, colóquios, palestras, conferências, seminários, congressos e outras reuniões sobre assuntos que, de qualquer maneira, relacionem-se com a Engenharia Civil;

- Promover intensificação do intercâmbio sócio-cultural entre os Engenheiros Civis;

- Incentivar a fundação de cooperativas de ensino, de crédito, de consumo e de habitação;

- lutar por adequada organização dos serviços de previdência social dos Engenheiros Civis autônomos e/ou empregados;

- Lutar pela ampliação do mercado de trabalho dos Engenheiros Civis;

- Pugnar pelo estabelecimento de salários dignos para os Engenheiros Civis empregados, seja nas entidades de direito público, seja nos de direito privado;

- Organizar tabelas de honorários profissionais para o Engenheiro Civil;

- Divulgar o Código de ética Profissional e exigir sua obediência irrestrita;

- Estimular a organização de assist~encia técnica de Engenharia Civil ás camadas de baixa renda da população;

- Colaborar com os poderes públicos em tudo que estiver ao seu alcance;

- Incentivar os Departamentos regionais a se representarem em entidades civis ou profissionais de seus estados; 

- Pugnar pela concessão de título de utilidade pública à ABENC pelos governos federal, estaduais e municipal.

Como se filiar à ABENC
Podem filiar-se à ABENC os Engenheiros Civis habilitados ou estudantes a partir dos terceiros anos dos cursos de Engenharia Civil, estes na categoria de sócios aspirantes.

Seja um associado da ABENC, filia-se por AQUI

Sua inscrição será encaminhada a ABENC do Estado cadastrado.

 


Diretoria Nacional da ABENC. Gestão 2013-2015.

Presidente: Francisco José Teixeira Coelho Ladaga (PR)

Vice-Presidente: Juares Silveira Samaniego (MT)
Vice-Presidente Adjunto: Diogo Veloso Neto (GO)

Vice-Presidente: Carlos Eduardo Domingues e Silva (PA)
Vice-Presidente Adjunto: Elisabete Alves de O. Rodrigues (SP)

Vice-Presidente: Ivan Ribeiro da Conceição (RJ)
Vice-Presidente Adjunto: Maria do Socorro Gomes Araripe (PI)

Vice-Presidente: Iocanan Pinheiro de Araújo Moreira (MG)
Vice-Presidente Adjunto:   José Eduardo Santos (CE)

Secretário: Luiz Capraro (PR)
Secretário Adjunto: Manoel Phillipi (SC)

Tesoureiro: Antônio Carlos de Aragão  (PB)
Tesoureiro Adjunto: Rogério Pinto Pinheiro (PR)

Diretor Técnico: Rubens Eugênio Barreto Ramos (RN)
Diretor Técnico Adjunto: Carlos Medeiros Silva (DF)

Conselho Nacional Fiscal da ABENC. Gestão 2013-2015. 

Conselheiro: André Monteiro de Fazio (SP)
Suplente: Jary de Carvalho e Castro (MS)

Conselheiro: Williams Lopes Pereira (RR)
Suplente: José Odoni de Campos (SE)

Conselheiro: Jorge Alberto Alprecht Filho (RS)
Suplente: Mélvis Barrios Júnio (RS)

Conselheiro: Marco Antônio de Oliveira (ES)
Suplente: Agostinho Alves de Oliveira Júnio (AP)

Conselheiro: Marco Valério Aleluia da Silva (AL)
Suplente: Aroldo Abussafi Figueira (MS)

Conselheiro: Jefferson Jaime Cassoã (TO)
Suplente: Idalino Serra Hortêncio (GO)


Copyright © 2014
Compartilhe: