Plano Diretor precisa priorizar as regiões centrais das cidades brasileiras
O Eng. Civil e professor doutor Rubens Eugênio Barreto Ramos proferiu a segunda palestra do dia do 26º CBENC, intitulada “A importância do Plano Diretor”. Ele fez sua apresentação contextualizando historicamente a Engenharia Civil e seu papel como ferramenta de construção social desde a Antiguidade.

“É por isso que esta é a profissão ideal para deliberar sobre o Plano Diretor, pois enxergamos a cidade como outras pessoas não enxergam, como um todo”, disse. Passeando pela história do urbanismo no mundo, Ramos demonstrou que “sem a intervenção de um planejamento com um Plano Diretor, a cidade tende a crescer de forma desorganizada e desordenada, causando dificuldades aos seus munícipes”, explanou, reforçando a sua importância para o bem-estar social e o desenvolvimento urbano.

Em sua fala, Ramou citou Curitiba como um exemplo de sucesso urbanístico no Brasil. “Ela focou o adensamento urbano nos eixos principais do sistema viário, o que conseguiu estimular a ocupação dos centros pelos principais corredores”, apontou.

Para ele, quando se desestimula a construção de prédios altos nos principais sistemas viários, a cidade se espalha e perde população para as periferias. “As construtoras fogem dos terrenos mais caros e vão para os bairros mais baratos. Com o tempo, este tipo de decisão impacta e gera uma cidade que não prospera. O Plano Diretor que não permite ou dificulta o adensamento leva a perda ambiental significativa e uma cidade mais cara, fica tudo mais complicado em uma cidade fora dos eixos principais”, contou.

O especialista defendeu a manutenção dos Planos Diretores das cidades brasileiras de forma perene, a despeito de implicações políticas. “Oscilações políticas fizeram as cidades brasileiras crescerem de forma caótica e desordenada, pela mudança frequente nos planos. Curitiba manteve a mesma estratégia ao longo das últimas décadas, o que a torna um case de sucesso que merece ser copiado”, disse.

Por fim, defendeu o aumento do potencial construtivo das regiões centrais. “Precisamos de um zoneamento baseado em eixos de desenvolvimento, pois o principal ponto de um Plano Diretor deve ser a mobilidade. Conjuntos habitacionais isolados não funcionam. Precisamos trazer a cidade de volta para dentro”, finalizou a palestra, que foi mediada pelo Eng. Civil Hélio Xavier da Silva Filho, Gerente da Regional Maringá do CREA-PR.

Assista a palestra clicando aqui.

O 26º CBENC é organizado pela Associação Brasileira de Engenheiros Civis (ABENC) e acontece até amanhã (17/12) no Instituto de Engenharia do Paraná (IEP).
 
Conteúdo/comunicação: Básica Comunicações
 
Fotos: Nublar Filmes
 
publicado em 16/12/2021

Copyright © 2014
Compartilhe: